Ressincronizador

Especialidades

Ressincronizador

A terapia de ressincronização cardíaca (TRC) é realizada por meio de um dispositivo eletrônico denominado ressincronizador. O principal objetivo no uso deste dispositivo é melhorar a eficiência das contrações do músculo cardíaco visando recuperar a função do coração de bombear sangue adequadamente. Ele atua através de dois eletrodos localizados nas câmaras inferiores do seu coração (ventrículos), enviando pulsos elétricos para ajudá-las a bater de forma mais coordenada ou "sincronizada".

Quem precisa de um ressincronizador?

Se o coração do paciente não estiver batendo eficientemente (e se preencher outros critérios técnicos de qualificação), ele tem benefício com o uso deste dispositivo cardíaco implantável.

O ressincronizador é, de fato, um minúsculo computador com uma bateria, contidos numa pequena caixa de titânio, com o tamanho aproximado de um relógio de bolso e peso em torno de 85 gramas (pouco maior e mais pesado do que um marcapasso comum).

Além do dispositivo cardíaco, os eletrodos (fios) são implantados com dois propósitos: carregar sinais de informação do coração até o dispositivo cardíaco e transmitir pulsos elétricos ao coração.

Em casos específicos, é necessário utilizar um dispositivo que combine as funções de TRC e cardiodesfibrilador implantável num mesmo aparelho. Com eles, há a possibilidade de, ao mesmo tempo, melhorar a função da contração muscular e proteger da ocorrência de arritmias graves, que poderiam provocar morte súbita.

Como é a cirurgia de implante de ressincronizador?

Em nosso grupo, a cirurgia é realizada por pelo menos dois cirurgiões: um especialista em estimulação cardíaca artificial e um cirurgião cardíaco. Opcionalmente, poderá haver a participação de um especialista em cirurgia plástica. O procedimento ocorre no centro cirúrgico, onde, antes da cirurgia, o paciente recebe um sedativo para dormir e ficar confortável, além de anestesia local. Entretanto, a depender de características pessoais, o procedimento pode ser executado sob anestesia geral.

Uma pequena incisão (corte cirúrgico) é feita pelo cirurgião plástico na parte superior do peito, abaixo da clavícula e perto do ombro. O especialista em estimulação cardíaca artificial leva então um ou dois cabos-eletrodos (finos fios isolados), guiados através de uma veia, até o interior do coração. Depois de testar os fios transmissores, faz a conexão com o dispositivo e testa sua configuração, para assegurar-se do adequado funcionamento, de acordo com as suas necessidades.

Insere-se o dispositivo preferencialmente abaixo do músculo peitoral (onde fica mais protegido e permite um aspecto estético final muito melhor e mais discreto), e o cirurgião plástico fecha a incisão com técnicas específicas. O paciente fica no hospital normalmente por uma noite, indo para casa no dia seguinte, após receber instruções sobre os cuidados necessários.

O que devo esperar durante uma cirurgia de ressincronização cardíaca?

O procedimento para se implantar um dispositivo cardíaco pode ser executado sob anestésico geral ou local. Se for feito sob anestesia local, você receberá um medicamento para deixá-lo sonolento e confortável. O implante não requer cirurgia aberta, e a maioria das pessoas vai para casa dentro de aproximadamente 24 horas.

O dispositivo afetará a minha aparência?

 Há quem imagine que resulte uma protuberância considerável onde o dispositivo cardíaco foi implantado. Contudo, em geral, você poderá notar apenas uma saliência sutil sob sua pele, onde o ressincronizador estará localizado. Visando minimizar este desconforto, nosso grupo implanta os dispositivos eletrônicos preferencialmente abaixo do músculo peitoral (o dispositivo fica mais “escondido” e protegido), e sempre com a participação de um cirurgião plástico, que inicia e termina a cirurgia, utilizando técnicas específicas para uma cicatriz menor e mais discreta.

Terei que modificar meu estilo de vida?

Um dispositivo cardíaco implantável permite, de modo geral, que os portadores participem das atividades que gostam. Com a melhora da função cardíaca e dos sintomas, o paciente poderá retomar práticas que antes a insuficiência cardíaca não mais lhe permitia. Em todo caso, seu médico terá mais informações sobre as atividades que você talvez tenha que evitar. Isso pode incluir aquelas em que alguns segundos de inconsciência representem perigo para você mesmo ou para outros. Entretanto a maior parte das pessoas volta às suas atividades diárias normais assim que se recuperam completamente da cirurgia.

Existem riscos associados ao ressincronizador?

Os riscos associados a implante de ressincronizador incluem infecção no local da cirurgia e/ou sensibilidade ao material do dispositivo, mas não se resumem a isso. Após receber um ressincronizador, você terá limitações a respeito de radiação magnética e eletromagnética, aparelhos elétricos específicos e algumas ferramentas. O tratamento com o ressincronizador é prescrito pelo cardiologista, mas nem todas as pessoas se beneficiam deste dispositivo. Converse com seu médico para ver se este é o dispositivo mais indicado para você.

O que acontece quando eu recebo um choque?

Se o seu ressincronizador tem a função de CDI, é possível que você receba um choque. Você pode sentir-se bem depois, ou pode sentir-se atordoado, enfermo ou desorientado. É importante conversar com seu médico e ter um plano preparado para que você saiba exatamente o que fazer se receber um choque. Talvez ele queira que você lhe telefone ou programe uma consulta se isso acontecer.

Agende sua consulta

Consultório Instituto do Coração (InCor - USP)

Consultório Hospital Sírio-Libanês

(11) 96681-0001

Agendamento de consultas apenas por Whatsapp
© 2019 Dr. Hugo Thomé

Agende sua consulta!

Consultório Instituto do Coração (InCor - USP)

Consultório Hospital Sírio Libanês

(11) 96681-0001

Agendamento de consultas apenas por Whatsapp